Visitas virtuais são implementadas no HUCFF

WhatsApp Image 2020-06-15 at 16.37.15

A COVID-19 tem produzido, por questão de saúde pública, isolamento social forçado e preocupação com o estado psicológico de pacientes e familiares. Pensando nisso, o Serviço de Psiquiatria e Psicologia Médica e a Terapia Ocupacional do Hospital Universitário Clementino Fraga Filho (HUCFF/UFRJ) lançaram o projeto “Visitas Virtuais” para que os pacientes com o COVID-19 sintam-se mais próximos dos seus entes queridos.

O GT de Comunicação à Família do Paciente COVID-19, que tem 15 Internos de Medicina - sob supervisão de médicos, psicólogos, assistentes sociais e bioeticistas - que levam informações às famílias dos pacientes internados, todos os dias, de 13h às 17h, o Serviço Social e os serviços responsáveis pelas enfermarias também apoiam a iniciativa.

A tecnologia digital tem sido instrumento para diminuir o sofrimento de pacientes internados e seus familiares. Com um tablet, a visita virtual está sendo feita com a mediação de profissionais de saúde, como psicólogos e terapeutas ocupacionais. Esses profissionais, respaldados pela Sociedade Brasileira de Psicologia Hospitalar e Conselho Federal de Psicologia, têm a função de agendar as visitas virtuais com os familiares e auxiliar a comunicação deles com os pacientes.

“A presença da família favorece o cuidado, a adesão ao tratamento e o relacionamento com a equipe assistencial. Além disso, minimiza o impacto da hospitalização e do adoecimento”, ressalta Anderson Nunes, chefe do setor de Psicologia do HUCCF/UFRJ.

WhatsApp Image 2020-06-15 at 16.37.17Comunicação Alternativa também faz parte do projeto

As pesquisas mostraram que 14% dessas pessoas evoluem para um nível mais grave, que requer internação em uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI), suporte de oxigênio e, por vezes, Ventilação Mecânica (VM). Nesse sentido, as pessoas com a Covid-19 podem se beneficiar da Comunicação Alternativa e Ampliada (CAA), que é um sistema de comunicação que oferece uma série de símbolos, recursos, técnicas, estratégias e adaptações para apoiar a comunicação do indivíduo com os profissionais. Como parte das ações da Terapia Ocupacional do Hospital Universitário Clementino Fraga Filho, a equipe construiu dois cadernos com pranchas de comunicação envolvendo temas relacionados às necessidades de pacientes jovens, adultos e idosos com a Covid-19 no contexto de internação hospitalar.

“Esse material integra as dimensões físicas, sociais, emocionais e espirituais, o que favorece a avaliação dos sintomas, a participação ativa da pessoa em seu tratamento e a comunicação com a equipe e seus familiares, desde o período de admissão até a alta ou óbito. Além disso, são descritas orientações para que o profissional de saúde possa introduzir e manusear as pranchas com segurança, de forma evitar a contaminação”, explica Janaina Nascimento, Coordenadora da área de Terapia Ocupacional da Residência Multiprofissional do HUCFF/UFRJ.

Segundo Janaína, os cadernos foram construídos em conformidade com os resultados das pesquisas que vêm sendo desenvolvidas desde 2011. A partir de 2016, iniciou-se o projeto de pesquisa e extensão intitulado “Comunicação Alternativa em Hospitais: levantamento de vocabulário para uso no ambiente hospitalar”, com os objetivos de identificar e selecionar o vocabulário mais adequado para ser utilizado em diferentes situações de cuidado, assim como verificar as estratégias mais factíveis para esse público em relação ao número de símbolos, o tamanho da fonte, as imagens, as cores e o número necessário de pranchas. Como parte das ações do projeto de extensão, buscou-se possibilitar o desenvolvimento de ações transformadoras, por meio da formação de pessoal, divulgação do material e socialização do conhecimento.

“Outro estudo importante desenvolvido pelo nosso grupo de pesquisa foi sobre as ações que são imprescindíveis para a prevenção e o controle das infecções hospitalares durante a utilização dos recursos de CAA nesse ambiente. Essas informações também constam do caderno”, afirma Janaína.


CADERNO DE COMUNICAÇÃO ALTERNATIVA PARA PACIENTES COM COVID-19 CONTRIBUIÇÕES DA TERAPIA OCUPACIONAL DA UFRJ

(volume 2) CADERNO DE COMUNICAÇÃO ALTERNATIVA PARA PACIENTES COM COVID-19 CONTRIBUIÇÕES DA TERAPIA OCUPACIONAL DA UFRJ

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Assistência

Atende 42 especialidades médicas e 23 programas em alta complexidade. Possui um Programa de Transplante credenciado no Sistema Nacional de Transplante do Ministério da Saúde, para transplantar rim, fígado, córnea e medula óssea. Tem capacidade instalada atual de 244 leitos, com potencial para até 350 leitos ativos, na dependência do resgate de áreas não utilizadas e investimento em recursos humanos. Realiza por mês cerca de 20 mil consultas ambulatoriais, 450 cirurgias, e 700 internações.

Ensino

Recebe estudantes de graduação das diversas unidades acadêmicas da UFRJ. Por ano, oferece 200 novas vagas para o Programa de Residência Médica e 31 vagas para Residência Multiprofissional em Saúde. Campo de treinamento e formação de 1.795 alunos de graduação e pós-graduação, além de 333 residentes. A Residência Médica do HUCFF é uma das mais procuradas do país. O concurso para 2012 teve 2.230 candidatos inscritos para 206 vagas. Entre os cursos mais procurados estão o de Clínica Médica e Cirurgia Geral.

Pesquisa

O HUCFF abriga importantes laboratórios onde são desenvolvidas produções científicas e publicação de artigos. As recentes conquistas no setor de pesquisa são uma prova de que o hospital tem levado a sério o compromisso de garantir mais qualidade de vida a seus pacientes. É conhecido como um dos principais pólos de produção e disseminação de conhecimento saúde no estado e no país, além de conquistar crescente projeção internacional.