No Dia da Gula, nutricionista do HUCFF explica o transtorno

“De quantas maneiras o alimento pode nos satisfazer?”, questiona a nutricionista do Hospital Universitário Clementino Fraga Filho (HUCFF) e mestre em Nutrição Humana, Maria Adelaide Moreira dos Santos. Quando se ingere pipoca, por exemplo, existem várias formas de “comer” o alimento: pela audição, com o barulho do milho estourando; pelo cheiro que emana da panela, pelo tato. Despertando tantos sentidos, a alimentação também pode levar a transtornos, como o da gula, que tem até dia no calendário: 26 de janeiro.

O problema, como explica a nutricionista, é multidisciplinar e exige uma interpretação mais complexa: “O transtorno é caracterizada pelo excesso de ingestão alimentar sem que o organismo necessite ou o indivíduo tenha consciência desse excesso. O diagnóstico é feito por uma avaliação psicossocial e clínica ”, conta ela.

Encontrar o meio termo entre o prazer da comida e uma alimentação saudável é uma questão de educação nutricional ou reeducação alimentar. Para ajudar, a nutricionista dá dicas que contribuem para melhorar o autocontrole. “Saber escolher os alimentos, comer em ambiente tranquilo, mastigar bem, evitar líquidos junto com grandes refeições . Além disso, deve-se fazer de cinco a seis refeições diárias, em intervalos de três a quatro horas, de preferência sem estar deitado ou realizando alguma atividade que dificulte mastigar ou deglutir.

Ela também acredita que um diário nutricional, em que a pessoa anota tudo que come, horário e o que estava sentindo ao comer, funcione.“Todo o plano alimentar traçado para melhorar esse distúrbio necessita da avaliação do consumo feito pela própria pessoa e pelo profissional que está cuidando do caso”, conclui.

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Assistência

Atende 42 especialidades médicas e 23 programas em alta complexidade. Possui um Programa de Transplante credenciado no Sistema Nacional de Transplante do Ministério da Saúde, para transplantar rim, fígado, córnea e medula óssea. Tem capacidade instalada atual de 250 leitos, com potencial para até 450 leitos ativos, na dependência do resgate de áreas não utilizadas e investimento em recursos humanos. Realiza por mês cerca de 20 mil consultas ambulatoriais, 450 cirurgias, e 700 internações.

Ensino

Recebe estudantes de graduação das diversas unidades acadêmicas da UFRJ. Por ano, oferece 200 novas vagas para o Programa de Residência Médica e 31 vagas para Residência Multiprofissional em Saúde. Campo de treinamento e formação de 1.795 alunos de graduação e pós-graduação, além de 333 residentes. A Residência Médica do HUCFF é uma das mais procuradas do país. O concurso para 2012 teve 2.230 candidatos inscritos para 206 vagas. Entre os cursos mais procurados estão o de Clínica Médica e Cirurgia Geral.

Pesquisa

O HUCFF abriga importantes laboratórios onde são desenvolvidas produções científicas e publicação de artigos. As recentes conquistas no setor de pesquisa são uma prova de que o hospital tem levado a sério o compromisso de garantir mais qualidade de vida a seus pacientes. É conhecido como um dos principais pólos de produção e disseminação de conhecimento saúde no estado e no país, além de conquistar crescente projeção internacional.