Saúde da População Negra

No Dia 20 de novembro é celebrado o Dia da Consciência Negra como reavivamento da luta pela liberdade e resistência do negro no Brasil. Pesquisas recentes revelam que a consagração da data também acontece como um alerta pelo Ministério da Saúde para o diagnóstico e tratamento das doenças que são mais comuns na população negra por conta da especificidade genética que a distingue do resto do mundo.

De acordo com Elizabeth Muxfeldt, especialista em clínica médica do Hospital Universitário Clementino Fraga Filho, doenças cardiovasculares, anemia falciforme e hipertensão arterial são mais comuns em negros por conta dos fatores ligados à alteração genética e à miscigenação. A constatação do fato, no entanto, serve como um alerta para que a população negra desenvolva maiores cuidados com a saúde e tome conhecimento das principais causas e tratamentos das doenças.

Doenças Cardiovasculares
Principal Causa de morte no mundo e no país, as doenças cardiovasculares são aquelas que afetam o coração e as artérias, como o infarto do miocárdio e o acidente vascular cerebral (AVC). Entre as principais causas da doença estão, o sedentarismo, o consumo excessivo de gordura, sal e bebidas alcoólicas. O melhor método de prevenção consiste em fazer exercício físico, ter uma alimentação equilibrada, rica em frutas e legumes e não fumar.

Hipertensão Arterial
A hipertensão arterial ou pressão alta é uma doença silenciosa caracterizada pela elevação dos níveis tensionais no sangue. Sua causa está associada ao fumo, consumo de bebidas alcoólicas, obesidade, estresse, consumo de sal, nível alto de colesterol, diabetes e sedentarismo. As medidas preventivas são: adotar um estilo de vida saudável, ou seja, combinar alimentação equilibrada com a prática de atividade física, reduzir a ingestão de sal e gordura, entre outros. Para diagnosticar a doença, no entanto, é preciso realizar exames periódicos e observar os sinais do corpo.

Anemia Falciforme
Considerada a doença genética que só acomete a população negra, a anemia falciforme não tem cura e é transmitida de mãe para filho por meio do gene. O diagnóstico é realizado por exame específico de detecção de anemias e o tratamento consiste em evitar as crises falcêmicas através dos cuidados com a saúde, como a vacinação adequada, alimentação saudável, hidratação e medicação necessária para evitar o surgimento de infecções.

Daniely Salles

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Assistência

Atende 42 especialidades médicas e 23 programas em alta complexidade. Possui um Programa de Transplante credenciado no Sistema Nacional de Transplante do Ministério da Saúde, para transplantar rim, fígado, córnea e medula óssea. Tem capacidade instalada atual de 250 leitos, com potencial para até 450 leitos ativos, na dependência do resgate de áreas não utilizadas e investimento em recursos humanos. Realiza por mês cerca de 20 mil consultas ambulatoriais, 450 cirurgias, e 700 internações.

Ensino

Recebe estudantes de graduação das diversas unidades acadêmicas da UFRJ. Por ano, oferece 200 novas vagas para o Programa de Residência Médica e 31 vagas para Residência Multiprofissional em Saúde. Campo de treinamento e formação de 1.795 alunos de graduação e pós-graduação, além de 333 residentes. A Residência Médica do HUCFF é uma das mais procuradas do país. O concurso para 2012 teve 2.230 candidatos inscritos para 206 vagas. Entre os cursos mais procurados estão o de Clínica Médica e Cirurgia Geral.

Pesquisa

O HUCFF abriga importantes laboratórios onde são desenvolvidas produções científicas e publicação de artigos. As recentes conquistas no setor de pesquisa são uma prova de que o hospital tem levado a sério o compromisso de garantir mais qualidade de vida a seus pacientes. É conhecido como um dos principais pólos de produção e disseminação de conhecimento saúde no estado e no país, além de conquistar crescente projeção internacional.