Direção do HUCFF homenageia funcionárias que estão se aposentando

Nesta sexta-feira (3), duas servidoras do Hospital que estão se aposentando receberam homenagem do diretor, Profº Eduardo Côrtes, pelos anos de serviços prestados.

A enfermeira Esther Francisca da Silva se despede do HUCFF após 38 anos de dedicação e cuidados dos pacientes, 30 deles, trabalhando no setor de doenças infecciosas. “É uma vida. Mesmo diante das dificuldades, tive a sorte de trabalhar com uma equipe maravilhosa por anos”, destacou Esther.

IMG 4175 para o site

O Prof. Eduardo Côrtes parabenizou Esther dizendo que a profissional é um exemplo a ser seguido pelas novas gerações de enfermeiras: “Desejo a quem está começando nessa profissão que a emoção e amor aos cuidados com os pacientes nunca sejam perdidos”, completou.

Após 30 anos de serviços prestados ao Serviço de Ginecologia do HUCCF, a profª Juraci Ghiaroni se aposenta e celebra o legado deixado ao ensino da área. “Minha história com a UFRJ e HUCFF tem 39 anos. Me formei, fiz residência e dediquei três décadas de serviços aqui”, comemora.

IMG 4187 para o site

O diretor do HUCFF parabenizou a carreira da Profª Juraci e o trabalho realizado com os futuros ginecologistas. “A instituição tem muito a agradecer aos profissionais que se doam ao serviço e às gerações de alunos que são treinados aqui”, disse.

Diretora da Divisão Médica do HUCFF comemora aniversário

A Diretora da Divisão Médica e diretora-geral substituta do HUCFF, Drª Miriam Maia, foi homenageada com uma confraternização pelo dia de seu aniversário.

confraternização

Grupo de alunos se reúne para ajudar o HUCFF

Alunos da Faculdade de Medicina compraram e instalaram, com recursos próprios, películas de insulfilme nas janelas de enfermarias do 9º andar para amenizar a incidência dos raios solares no local.  A ideia de montar um grupo para organizar iniciativas em prol do hospital partiu da estudante de Composição de Interiores, Luana da Silva Rigoni, que passou mal durante uma aula e foi trazida por uma professora para ser atendida no HUCFF.

“Fiquei pensando como, com o conhecimento que tenho, poderia contribuir para a melhoria da instituição. Então, uma amiga da faculdade de Medicina disse que a turma dela também tinha interesse em fazer algo para ajudar e nos unimos”, explica Luana.

“Fizemos dois mutirões, o primeiro com oito pessoas e o segundo com 23. Agora, estamos planejando terminar mais três enfermarias antes do final de abril.”, explica Daniel Rozembaun, aluno do 10º período e um dos envolvidos no projeto.

Além disso, os alunos também pensam em melhorar a sinalização do Hospital, criar um grafite no 3º andar para estimular a doação de sangue e formar um fundo patrimonial para ajudar a tirar do papel outras melhorias para a instituição.

O ex-aluno Lucas Góes, que se formou em 2016, conta que o modelo do fundo se baseia no mesmo utilizado em universidades americanas: “As doações são investidas e apenas o rendimento desses investimentos são aplicados na universidade, tornando o fundo perpétuo. Neste momento, estamos em um processo de consultoria da UFRJ para definir nosso modelo de negócio e estrutura administrativa”, resume. 

Confira as palestras que acontecem amanhã no HUCFF

No próximo dia 19 tanto a anatomia patológica quanto o serviço de doenças infecto parasitárias do Hospital Universitário Clementino Fraga Filho (HUCFF) realizam debates sobre temas de suas respectivas áreas. Veja abaixo:

• Sessão da DIP - apresentada pela aluna Ana Paula Ramalho, que abordará o tema “Resistência aos Antimicrobianos em Neisseria Gonorrhoeae no Rio de Janeiro”, sob orientação das professoras Raquel Regina Bonelli e Beatriz Moreira. Às 11h na sala 5C03, localizada no 5º andar.

• Palestra da Anatomia Patológica – “Avanços nos estudos das doenças neuromusculares” será o tema da palestra realizada pela professora doutora Nathalie Henriques Silva Canedo, MD, PhD. Às 12h, no Departamento de Patologia do Hospital Universitário Clementino Fraga Filho (HUCFF), localizado no subsolo, sala 1.

TRATAMENTO NO HUCFF BENEFICIA PACIENTES COM HEMOFILIA DO BRASIL E EXTERIOR

hemofiliaReferência no tratamento para pacientes com hemofilia, o Hospital Universitário Clementino Fraga Filho (HUCFF) inaugura, no dia 18 de abril, novas instalações destinadas a receber os pacientes que são encaminhados dos centros de hemofilia de todo o país. Na mesma semana, dia 17, é comemorado o Dia Mundial da Hemofilia. Além disso, em abril completa-se 14 anos que a hematologista Sylvia Thomas, que coordena o Grupo de Radiossinoviortese do HUCFF, deu início à prática desse tratamento no Brasil. A presidente da Federação Brasileira de Hemofilia, Marianna Leme Battazza Freire, confirmou a presença no evento.

As novas instalações trarão mais conforto aos pacientes e familiares, além de contribuir com o trabalho dos profissionais dedicados ao tema. “Em ambiente bonito, nossos pacientes, majoritariamente crianças, se sentem mais acolhidos. Em vez de uma sala cinza, teremos um local mais adequado para o público infanto-juvenil, com uma cara mais alegre e com uma mensagem de esperança. Além disso, os profissionais também se sentem mais valorizados trabalhando em um lugar com melhor estrutura”, explica Sylvia.

Segundo a hematologista, o Brasil tem o maior número de casos documentados do tratamento na hemofilia, o que nos torna referência internacional. “Enquanto temos mais 1300 casos, a Espanha, que é o segundo que mais realiza o tratamento com hemofílicos, tem 500. Nosso grupo de pesquisa multidisciplinar tem participado de eventos no Brasil e no mundo. Como o tratamento é pouco invasivo e efetivo (cerca de 80% de sucesso), queremos treinar outros profissionais aqui e lá fora para expandir o procedimento”, ressalta.

A médica, que é pioneira na utilização da técnica no Brasil, também tem um filho com hemofilia. "Inicialmente, em 2003, oferecíamos a radiossinoviortese no Mato Grosso, por meio de um projeto de cooperação técnica entre o governo do estado, a clínica de medicina nuclear IMN e o Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares, IPEN. Em 2008, com o término do convênio, ficamos sem ter como atender essa clientela. O mestrado no IPPMG e doutorado na Medicina Nuclear da UFRJ possibilitaram continuar as pesquisas e logo a assistência aos pacientes“, lembra a médica."Agradeço ao apoio irrestrito da direção do HUCFF, do Departamento de Radiologia, do chefe da medicina nuclear, da Faculdade de Medicina e dos meus orientadores por manter aberta essa porta”, completa. Ela ressalta ainda que o mérito é do grupo de 15 profissionais brilhantes e empolgados, que se uniu para estudar e aprimorar a técnica.

Sobre a doença e o tratamento:
A hemofilia é uma doença rara que atinge 12 mil pessoas no país e acarreta em dificuldade na coagulação sanguínea. É frequente que os pacientes apresentem sangramentos nas articulações que, caso não sejam tratados rapidamente, com os fatores de coagulação, podem levar a lesões permanentes e deformidades nesses locais. A radiossinoviortese consiste em remover a área que provoca os sangramentos presente nessas articulações, através da injeção de um radiofármaco, e resulta na diminuição das hemorragias, da dor e dos edemas característicos.

Assistência

Atende 42 especialidades médicas e 23 programas em alta complexidade. Possui um Programa de Transplante credenciado no Sistema Nacional de Transplante do Ministério da Saúde, para transplantar rim, fígado, córnea e medula óssea. Tem capacidade instalada atual de 250 leitos, com potencial para até 450 leitos ativos, na dependência do resgate de áreas não utilizadas e investimento em recursos humanos. Realiza por mês cerca de 20 mil consultas ambulatoriais, 450 cirurgias, e 700 internações.

Ensino

Recebe estudantes de graduação das diversas unidades acadêmicas da UFRJ. Por ano, oferece 200 novas vagas para o Programa de Residência Médica e 31 vagas para Residência Multiprofissional em Saúde. Campo de treinamento e formação de 1.795 alunos de graduação e pós-graduação, além de 333 residentes. A Residência Médica do HUCFF é uma das mais procuradas do país. O concurso para 2012 teve 2.230 candidatos inscritos para 206 vagas. Entre os cursos mais procurados estão o de Clínica Médica e Cirurgia Geral.

Pesquisa

O HUCFF abriga importantes laboratórios onde são desenvolvidas produções científicas e publicação de artigos. As recentes conquistas no setor de pesquisa são uma prova de que o hospital tem levado a sério o compromisso de garantir mais qualidade de vida a seus pacientes. É conhecido como um dos principais pólos de produção e disseminação de conhecimento saúde no estado e no país, além de conquistar crescente projeção internacional.