Dia Nacional da Mamografia

mamografiaNo Brasil, as taxas de mortalidade por câncer de mama continuam elevadas porque a doença ainda é diagnosticada emestágios avançados. Com o objetivo de sensibilizar a população sobre a importância da realização de exames para detecção precoce e combate à doença, o dia 5 de fevereiro foi instituído há três anos, como o Dia Nacional da Mamografia.

 

De acordo com a radiologista do Hospital Universitário Clementino Fraga Filho (HUCFF) Flávia Saez, a mamografia é considerada a melhor técnica para diagnosticar câncer de mama em mulheres acima de 40 anos por se tratar de uma radiografia especializada em detecção de alterações na mama.

 

O Câncer de Mama

O câncer de mama é causado pela multiplicação anormal das células da mama, que formam um tumor maligno e apresenta sintomas como a secreção no mamilo e nódulo (caroço) endurecido e fixo no seio, palpáveis na axila e no pescoço, além de alterações na pele que recobre a mama, como abaulamentos ou retrações, inclusive no mamilo, ou aspecto semelhante à casca de laranja. Segundo o Ministério da Saúde, as formas mais eficazes para detecção precoce do câncer de mama são o exame clínico da mama e a mamografia.

 

Fatores de risco

Entre os principais fatores de risco da doença estão histórico familiar, idade, menstruação precoce, menopausa tardia, reposição hormonal, colesterol alto, obesidade, lesões de risco na mama e não ter filhos.

 

Tratamento

O tratamento varia de acordo com a extensão da doença, suas características biológicas e condições do paciente, como idade, status menopausal, comorbidades e preferências. As modalidades de tratamento do câncer de mama podem ser divididas em: tratamento local, ou seja, cirurgia, e radioterapia ou tratamento sistêmico, que é realizado por meio de quimioterapia, hormonioterapia e terapia biológica.

 

Prevenção

Ter uma qualidade de vida saudável e evitar a obesidade por meio da prática regular de exercícios físicos é uma recomendação básica para prevenir o câncer de mama, já que o excesso de peso aumenta o risco de desenvolver a doença. A ingestão de álcool, mesmo em quantidade moderada, é contraindicada, pois é fator de risco para esse tipo de tumor, assim como a exposição a radiações ionizantes em idade inferior aos 35 anos.

Imunologista do HUCFF ensina a prevenir alergias típicas de verão

Quem sofre com alergia já sabe: o verão é uma época mais propensa a desenvolver alergias cutâneas. “No calor, com o aumento da transpiração, alergias por contato a substâncias como o níquel, presente em relógios e bijuterias, são mais frequentes. Aumenta também a exposição a insetos, o que gera maior número de incidências de reações a picadas”, explica a imunologista do HUCFF, Solange Valle.

Em ambos os casos, o conselho da especialista é o mesmo: manter a pele hidratada, o que diminui a incidência de alergias, e tomar banho com água morna ou fria, já que a quente retira a proteção da pele.
Para quem foi pego de surpresa, Solange Valle afirma que as alergias cutâneas causam coceira intensa e aparecimento de lesões avermelhadas na pele.

“De imediato, é possível fazer compressas de água gelada para aliviar a crise. Mas é preciso procurar um especialista para que ele dê as recomendações específicas”, indica.

 

Como prevenir as alergias

Alergia a picada de inseto
Medidas preventivas:
• Colocar telas nas janelas.
• Fazer uso de repelentes de insetos.
• Eliminar plantas e outros depósitos de água parada.
Cuidados gerais:
• Manter as unhas aparadas e escovadas.
• Usar pomadas ou cremes a base de corticosteróides, sempre com orientação médica.
• Nos casos mais graves, que não se consegue o controle com as medidas acima, é indicado a imunoterapia (vacinas). Sempre após avaliação do especialista (alergista).

Dermatite por contato
Medidas preventivas:
• Evitar o agente agressor
Tratamento:
• Identificar o agente causador da reação e evitá-lo
• Caso o agente não seja identificado logo, deve-se fazer um teste de contato para descobrir qual substância ocasiona as lesões.
• Com orientação médica, pode-se utilizar pomadas ou cremes antiinflamatórios (corticosteróides) no local das lesões.

Projeto de Controle de Estresse atende funcionários do HUCFF

Massagem, auriculoterapia, acupuntura, aromaterapia, fortalecimento muscular, shiatsu e exercício laboral. Esses são os serviços oferecidos aos funcionários do Hospital Universitário Clementino Fraga Filho (HUCFF) pelo projeto Controle do Estresse, que busca melhorar a qualidade de vida e aliviar a tensão.

Sandra Batista, assistente social de RH e vice-coordenadora do projeto, conta que os funcionários que comparecem percebem logo a vantagem das sessões. Mas ela ressalta que, para sentir a mudança é preciso, no mínimo, cinco sessões.

Foi o caso de Danielle Cristina Pereira, da Secretaria de Treinamento e Desenvolvimento (STD), ela fez auriculoterapia e percebeu melhoras: “Senti menos a TPM, estava mais calma e menos ansiosa”, resume.

Sobre o exercício laboral, que foi a atividade pioneira do projeto, Sandra ressalta que não é preciso sair da sala, não cansa nem causa transpiração e dura entre 10 e 15 minutos.

Além de Sandra, fazem parte da equipe: Izabel Gondim, fonoaudióloga e coordenadora, e Laura Gomes Barreto, formada em educação física e professora do projeto.

Deputado Hugo Leal visita instalações da unidade

IMG 3396

O Hospital Universitário Clementino Fraga Filho (HUCFF) recebeu, no dia 27 de janeiro, a visita do deputado federal Hugo Leal (PROS). O parlamentar autor da Lei Seca fez questão de conhecer as instalações da unidade, inclusive da parte demolida, e conversou com o diretor, professor Eduardo Côrtes, sobre a situação do hospital.

O diretor lembrou que o deputado Hugo Leal é também presidente do Partido Republicano da Ordem Social (PROS) e, desde que foi procurado pelo HUCFF, se mostrou sensível e disposto a ajudar. “Inclusive com apoio para que conseguíssemos a aprovação da emenda de bancada”, acrescentou o gestor.

Sobre essa aprovação, o professor Eduardo Côrtes ainda mencionou que pretende realizar uma audiência pública para falar sobre as reformas no HUCFF com entidades civis e sociedade. “Queremos fazer os investimentos com o máximo possível de transparência, seriedade e discussão com a sociedade”, completou ele.

Durante a reunião, o deputado ressaltou a importância da instituição para a população. “O HUCFF continua sendo um centro de referência em atendimento e ensino, apesar da falta de investimentos e da crise. É unanimidade que aqui dentro tem o que há de melhor na medicina”,sentenciou.

O deputado elogiou também a postura da gestão, em procurar o diálogo com parlamentares, inclusive com viagens para se reunir em Brasília, em busca de apoio para o hospital. “A mobilização realizada por essa gestão, mostrando aos parlamentares a necessidade de investimentos para o Hospital do Fundão foi fundamental para a aprovação das emendas”, afirmou.

Coordenador da bancada federal fluminense em Brasília, Hugo Leal aproveitou a oportunidade para aconselhar a diretoria sobre a importância de, no caso da emenda de bancada, ter um cronograma de investimentos bem definido para apresentar ao Ministério da Educação, a fim de garantir esses recursos.

O drama de um hospital, artigo do diretor do HUCFF publicado no jornal O Globo

Saiu hoje, no jornal O Globo, um artigo do diretor do Hospital Geral Clementino Fraga Filho, Eduardo Côrtes, sobre o adiamento das aulas práticas dos alunos de quinto e sexto anos da Faculdade de Medicina.

 

O drama de um hospital

Só há o que lamentar sobre a suspensão das aulas práticas pela Faculdade de Medicina da UFRJ. Não pela decisão em si, mas pela necessidade de se tomar uma medida dessas. No entanto, a pergunta fundamental é: como preparar adequadamente nossos alunos, se não há quantidade suficiente de leitos para que eles possam praticar a profissão, formando- se com a excelência que sempre foi o norte do atendimento do Hospital Universitário Clementino Fraga Filho ( HUCFF)?

É penoso ter que tomar essa decisão. Mas também é preciso reconhecer que, se continuarmos sem verbas e investimentos, corremos um sério risco de comprometermos a formação dos nossos alunos, tradicionalmente entre os mais bem preparados do país.
Centro de excelência em alta complexidade, ensino, pesquisa e assistência, o HUCFF já figurou entre os maiores hospitais universitários do país. No entanto, atrasos no repasse de verbas e falta de investimento explicam o cenário desolador: são 1.200 acadêmicos e 170 leitos. Antes da crise, chegamos a trabalhar com 250, número a que esperarmos retornar. Anos atrás o hospital já teve mais de 500 leitos.

Mesmo consciente desse problema, a gestão tem dialogado intensamente com parlamentares do Rio de Janeiro, a fim de conseguir, por meio de emendas, tanto individuais quanto de bancada, verbas para o hospital. Todos os parlamentares têm demonstrado apoio à causa do hospital, por conhecerem a qualidade do atendimento aqui prestado e entenderem a relevância da unidade para a sociedade, sobretudo da Baixada.

Apesar dos 250 leitos atuais, o HUCFF tem capacidade para 780 se terminarmos o prédio que ainda tem andares vazios nunca antes ocupados. Essa ampliação melhoraria o número de atendimentos da unidade e reduziria a quantidade de leito por aluno, permitindo não só um ensino mais adequado, como uma menor exposição do paciente, que às vezes, precisa ser examinado por mais de um aluno. Apesar das dificuldades, aumentamos procedimentos via contrato pelo SUS, como cirurgias cardíacas, aneurismas e neurocirurgias, elevando assim a produtividade do hospital.

Ainda iniciamos, com recursos próprios, 13 obras emergenciais da unidade: aumento de CTI, de enfermarias, do serviço de fisioterapia e de medicina física; reforma do sistema hidráulico dos banheiros e infiltrações nos prédios; recuperação da entrada de pacientes da triagem; reforma de todo o telhado, sanitários dos ambulatórios, residência médica e centro cirúrgico e aumento de, pelo menos, cem leitos após a conclusão da enfermaria do 10 º e 11 º andares, além de compra e instalação de novos equipamentos. Trabalhamos duro para melhorar e modernizar a gestão, apesar de falta de pessoal e da falta de reposição de aposentados, falecimentos e exonerados.

Entendemos a avaliação da Faculdade de Medicina e, de nossa parte, só podemos garantir compromisso e seriedade com os pacientes e a educação dos alunos. Estamos lutando firme para melhorarmos as instalações da unidade, aumentar o número de leitos e melhorar o ensino dos alunos e o atendimento à população. A nota de corte do Enem para a Faculdade de Medicina da UFRJ foi o maior do país, e temos consciência da responsabilidade em formar pessoas tão capazes. Continuaremos a luta para melhorar e modernizar a gestão. Não podemos parar.

Eduardo Côrtes é diretor geral do Hospital Universitário Clementino Fraga Filho

Assistência

Atende 42 especialidades médicas e 23 programas em alta complexidade. Possui um Programa de Transplante credenciado no Sistema Nacional de Transplante do Ministério da Saúde, para transplantar rim, fígado, córnea e medula óssea. Tem capacidade instalada atual de 250 leitos, com potencial para até 450 leitos ativos, na dependência do resgate de áreas não utilizadas e investimento em recursos humanos. Realiza por mês cerca de 20 mil consultas ambulatoriais, 450 cirurgias, e 700 internações.

Ensino

Recebe estudantes de graduação das diversas unidades acadêmicas da UFRJ. Por ano, oferece 200 novas vagas para o Programa de Residência Médica e 31 vagas para Residência Multiprofissional em Saúde. Campo de treinamento e formação de 1.795 alunos de graduação e pós-graduação, além de 333 residentes. A Residência Médica do HUCFF é uma das mais procuradas do país. O concurso para 2012 teve 2.230 candidatos inscritos para 206 vagas. Entre os cursos mais procurados estão o de Clínica Médica e Cirurgia Geral.

Pesquisa

O HUCFF abriga importantes laboratórios onde são desenvolvidas produções científicas e publicação de artigos. As recentes conquistas no setor de pesquisa são uma prova de que o hospital tem levado a sério o compromisso de garantir mais qualidade de vida a seus pacientes. É conhecido como um dos principais pólos de produção e disseminação de conhecimento saúde no estado e no país, além de conquistar crescente projeção internacional.